Ao começar a trabalhar acredito que deixamos de fazer parte da “geração do futuro” para nos juntarmos a “geração do presente”. Porém, esta ainda está contaminada por gerações passadas que, como de costume, não se acostumam com o que há de novo e insistem em relembrar o que não volta mais. Por isso e em meio a tudo isso, mesmo aos vinte e três anos, me sinto apto a usar a boa e velha expressão saudosista “no meu tempo”.
No meu tempo, havia tempo pra tudo e pra todos que não tinham hora marcada. Marcante era o que acontecia sem hora certa pra se prever.
No meu tempo, o mais interessante em ganhar um presente era o fato do amigo ter de se fazer presente pra que isso acontecesse. A lembrança material era esquecida em no máximo uma semana. A do amigo não me esqueço até hoje.
No meu tempo, corria pra rua, me machucava, recorria aos cuidados de minha avó, voltava pra rua, voltava a me machucar.. Na verdade isso tudo só acontecia por eu ser o menor da turma. Isso me revoltava. Um dia houve uma reviravolta e eu cresci.
No meu tempo, o tempo não estava relacionado a pressão. Me impressiona lembrar de fatos, que agora só param no tempo, por antes terem passado tão rápidos.
Portanto, daqui pra frente, se o tempo for curto, vou encurtar minhas tristezas. Se for longo, vou prolongar minhas alegrias. E nesse meio tempo vou seguindo com a idéia de ter uma filha. Esperando que um dia o “seu” e o “meu” vire o “nosso” tempo. E que este dure pra sempre.

4 comentários:

CeiSa disse...

Nossa... A alegria era mais presente entre nós que as tristezas. E correr era coisa de menino levado. E brincar no meio da rua não era fora de moda!

Saudade do meu tempo! :)


Beijos!!!

.raphael. disse...

É meu caro, o tempo sempre deixa saudades, por isso o tempo de hoje deve ser vivido pensando-se no tempo de amanhã, para se ter saudade do tempo de ontem!

é bem por ai! O tempo nos faz viver!

eupatriciamesmo disse...

Se um dia eu tiver uma filha, a levarei pra conhecer o norte do país.
Lá o meu tempo ainda é.

Incrível essa reflexão sobre o trabalho...
Eu queria mudar o mundo qdo me formei.
Agora a meta deixar de fazer parte desse 'mundo'. Sabe?

beijos!

Batom Cor de Rosa disse...

acredite, algumas coisas do "seu" tempo ainda acontecem no presente ;)

belo post.
beijos!