... Tudo ia tornando-se cada vez mais claro para Mateus e mais obscuro para Ana. Carol ainda pairava nas nebulosidades daquela fase.

Aquela manhã de sábado colocaria em jogo e em risco todos os planos de Mateus. Ele sem dúvida estava disposto a arriscar, mas sem fazer qualquer tipo de jogo com Carol. Ao invés de pensar em arrumar uma desculpa para tudo o que aconteceu ele só pensava em dizer a verdade; isso lhe poupou a maior parte do tempo em que viveu aquela angústia. A última e decisiva parte seria compartilhada com Carol dali a alguns instantes. Em uma mesa de bar qualquer, a conversa começou e fluiu tão rápido quanto os copos de cerveja que se revezavam quase no mesmo ritmo das falas de cada um deles.
-- Como você tá Carol?
-- É difícil explicar o que sinto. É difícil lembrar tudo o que passou e imaginar tudo o que estava por vir. É difícil tentar me ver, e viver, livre de qualquer tipo de sonho. Isso já parece ser sonhar demais.
-- O que eu tenho pra te falar pode ser impactante em um primeiro momento, mas depois eu tenho certeza que vai te fazer sim voltar a se sentir viva. Lembra da época que a gente namorou?
Carol fez um leve sinal de positivo com a cabeça.
-- Então. Antes eu tinha terminado um namoro com a Ana. Resolvi não te falar porque tudo ainda era muito recente e a medida que ela se aproximou de você foi ficando mais difícil de te contar. Eu só quero que fique claro que eu só terminei por compaixão a ela e não porque não gostava mais de você.
-- Mas porque ela não me disse isso? – perguntou Carol.
-- Pra não deixar claro que ela só tinha se aproximado de você por minha causa.
-- Meu Deus!
Carol punha as mãos na cabeça enquanto tentava organizar os fatos.
-- Então foi por isso que ela algumas vezes olhava um pouco diferente pro Cláudio quando a gente tava em Paris. Será que ela se julgou enganada por mim e por isso queria se vingar? Mas espera aí...
Enquanto seus olhos voltavam-se para baixo ela levantou a questão mais importante do encontro.
-- Agora eu me lembrei. Antes de sair de carro na noite do acidente o Cláudio me pediu pra não considerar nada que a Ana me dissesse! Eu preciso falar com ela pra esclarecer tudo isso.
Alguns fatos começavam a se encaixar e ao mesmo tempo não faziam sentido nenhum que tivessem acontecido para Carol. Agora restavam apenas ela, Ana e entre as duas tudo que se passou até agora.

Download da estória até esse ponto

3 comentários:

Lu disse...

Tchan tchan tchan!!! Esse conto está cada vez mais interessante. Mistério, romance, intrigas...
E agora? Como vai se dar esse "passar a limpo" entre Carol e Ana? Curiosidade¹²³...
E o Mateus? Cada dia "me cativa" mais! Muito fofo, ele!
Bj, Léo!

Si disse...

Enfim, Léo. Aguardava apreensiva por mais um post. E ele chegou repleto de revelações.
Ainda bem que o Matheus contou tudo para a Carol (ele é um fofo). Só não quero que ele revele que viu o Cláudio com a Ana no elevador. Deixa o morto em paz. hehe

E a Ana que se prepare. Vem chumbo grosso por aí.

Beijos, moço.

.raphael. disse...

nossa Léo.. posta logo a continuacao!..hehehe
ja devia ter postado! Post novo Léo!!! quero saber o que vai sair dessa conversa... ainda mais entre duas mulheres!hahaha

abraço