Finalmente tinha conseguido! Em uma galeria antiga, num prédio antigo do antiquado bairro da República lá estava ela: a Moranguinho. Como sensação da década de 80 ela não poderia estar em um lugar mais apropriado. Não sei porque a Mari gostava tanto dessa boneca se o seu único atrativo era o cheiro da fruta que levava em seu nome. Questionamentos a parte fiz a compra pagando um valor digno de umas cinco feiras com todas as frutas no carrinho. Apesar do preço, confesso ter sentido um certo orgulho, pois encontrar uma moranguinho atualmente é como achar uma agulha no meio de ipods, pen-drives e celulares de última geração. Estava ansioso para revelar a surpresa. Cheguei na casa da Mari e quando ela abriu a porta foi como se a boneca tivesse ido lhe visitar e não eu. Ela pouco se importou com a minha presença e seus olhos de jaboticaba brilharam ao ver aquele pequeno pedaço de morango. Logo que a teve em suas mãos, eu esperava vê-la acariciar seus cabelos crespos ou apertar sua barriguinha na esperança de ouvir um "quack" ou algo do genêro como resposta. Mas não, a Mari é expert em moraguinhos, uvinhas e afins, e sua primeira atitude foi cheirar a boneca. Nesse momento, meu mérito por ter encontrado a relíquia foi subitamente inalado pelos seus pequenos canais nasais. Sua reação foi contundente:

- Mas não tem cheiro de morango!!!

- É Mari, ela é uma boneca da década de 80, alguns anos se passaram.. mas a gente pode chamar ela de mofinho, o que você acha?

5 comentários:

Cristiano Contreiras disse...

Tu tens um dom, caro Leo

além de proporcionar uma literatura intensa, verdadeira e conceitual - cativa e muito com o bom gosto. Escreves plenamente!

Gostei do blog como um todo, sério mesmo!

virei sempre e seguirei, espero que curta meu espaço, daí podemos firmar contato, abs

Cristiano Contreiras disse...

Grato pela visita!
Se quiser, seja meu seguidor lá, um abraço!

Elaine Barnes disse...

Que legal! Minha filha tem toda a coleção, até as casinhas...Bom relembrar. Hoje ela já é mãe. O davi faz 7 dias hoje. Tem um moranguinho cheirosinho de verdade agora. rs.. bjs amigo!

Gabriela. disse...

Ah, a moranguinho que eu tinha podia ser considerada mofinho. mas mofinho bom, de saudade!

Obrigada pelos comentários, Léo! Gosto muito do que você escreve.

p.s.: coincidências são válidas, não é mesmo?
ah, já te adicionei no msn, sim!

Beijos :*

Cristine disse...

adorei! É o tempo passa... Me lembro que me perdi dos meus pais no Carrefour porque fiquei parada em frente a seção dessas bonequinhas e me distrai. Depois do susto, a recompensa foi levar uma pra casa.Acho que era a laranjinha. Que saudade do cheirinho da infância.