Aos 15 eles se conheceram. Ainda não sabiam nada sobre o amor, mas sentiam-se seguros quando estavam juntos . Não sabiam nada sobre a saudade, mas sentiam-se indefesos quando estavam separados. A única coisa que eles realmente sabiam era que seria desnecessário tentar explicar ou descrever aquela situação; eles só precisavam mesmo era sentir. E foi isso o que fizeram. Logo no segundo encontro via-se uma enorme sintonia crescer. Suas palavras dançavam em sincronia e eles já não se davam conta de quanto o tempo passava absurdamente rápido quando estavam juntos. Após este dia ficou claro que algo inexplicável estava acontecendo. Ao chegar em casa, ele percebeu que já lhe cresciam alguns pêlos sobre o rosto e procurava entender qual o sentido de ter envelhecido quase 6 anos desde a última vez em que a viu. Ela por sua vez tentava decifrar o que aqueles sapatos faziam no armário e como combinar todos os itens do seu novo estojo de maquiagem. Mais alguns dias e um novo encontro aconteceu. Agora em um bar movimentado e não em frente a igreja como da última vez. Eles chegaram, se cumprimentaram e o sincronismo de uma longa respiração ofegante deixou claro que os dois não sabiam o que dizer e nem o que fazer naquela situação. Um longo abraço que durou incontáveis noites marcou a despedida para ambos. A manhã seguinte fez dele um homem já com 30 anos e dela uma mulher prestes a comemorar seu aniversário. Seria contraditório tentar revê-la para lhe desejar muitos anos de vida. Este desejo só se concretizaria se ambos decidissem não se vir mais. E eles decidiram. Decidiram continuar apenas sentindo, sem tentar explicar ou descrever a situação. A cada nova oportunidade de se conhecerem mais um enxergava nas marcas de expressão do outro o tempo se esgotando. Com ambos aos 70 anos, o quinto e último encontro foi uma espécie de data marcada para a despedida. Vistas por outros olhos suas lágrimas caíam numa velocidade incrível. Estava claro que tudo terminaria quando um dos rostos secasse e o outro continuasse chorando pela recente perda. A situação caminhava pra isso até que em um ato de amor e cumplicidade, como para abafar os gritos de uma morte anunciada, eles se beijaram. Naquele instante o tempo parou; uma doce recompensa que os permitiu viverem juntos cada minuto dos próximos 70 anos.

7 comentários:

Doce Nostalgia disse...

O mais legal do teu texto e ir acompanhando, e notar que é uma hístoria...
Um amor assim que dure tanto é o sonho de qualquer pessoa.
Obrigada pelo o teu comentario no meu blog, eu amo imagens então uso e abuso delas, eu acho que a imagem é o ponto de vista da minha interpretação! hehe

Olha gostei muito, tô seguindo!
beijão!

Doce Nostalgia disse...

Não sei se você é o chato dos comentarios hehe, mais informação e sempre bom, obrigada mesmo assim por dizer ^^

E por visitar meu blog tambem hehe

Otima semana moço, beijos!!!

Colorida e bela* disse...

Suspiro...

Lindo texto, como sempre! :))

leo disse...

por mais antisocial q eu seja, q não comente no blog de vocês, vocês sempre comentam aqui elogiando e tudo.. realmente MUITO obrigado a todos vocês.. todos, são bem importantes pra mim e nem sabem como!

Josi disse...

Que bonito isso, fui acompanhando essa história juntamente com a minha imaginação.
Falar de amor de uma maneira tão pura e engenua é que o precisamos nos dias de hoje.
Gostei do seu blog,vou te seguir!
Um beijo

Doce Nostalgia disse...

hahahaha Oferecido foi BOA! kkkk
Olha te adicionei lá no meu msn!

Beijos =*

Doce Nostalgia disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.