Quando te vi pela primeira vez não esperava que aí de cima você fosse me enxergar. Me deu uma vontade de te puxar aqui pra baixo pelos cabelos e também um medo de que por isso você puxasse minhas orelhas que eu logo desisti. Me imaginei na ponta dos pés e você de joelhos mas mesmo assim ainda seria difícl fazer você me notar. Já estava quase desistindo, perdendo as esperanças, quando você me deu a mão.
Como eu não pensei nisso antes??? Ainda refletia sobre um simples gesto de estender a mão enquanto você já corria me carregando nos braços. O seu tênis levantando poeira no chão de terra batida ditava o ritmo dos seus passos e também do meu coração. Nós passávamos muito depressa pelas coisas bonitas mas inexplicavelmente elas demoravam uma eternidade pra passar pela gente. Confesso que quando ainda te via lá de baixo não podia imaginar que seria tão bonito enxergar o mundo através dos seus olhos. E com você ele se tornou tão especial, mas tão especial que não me importava se já estava escurecendo... pra mim era só a luz mudando de tom. Voltando pra casa chegou a hora de descer dos seus braços e colocar de novo os pés no chão. Mas porque? Assim é muito difícil acreditar que da próxima vez você vai me levar até as nuvens pra gente andar de mãos dadas! Mesmo assim prometo que vou ficar aqui sentada te esperando e imaginando se você vai querer mesmo ser meu amigo, superherói, aquele que sabe todas as respostas ou ainda tudo isso junto; só não sei como... acho que como um pai.

1 comentários:

Fernando disse...

Grande Léo! MUITO Obrigado, acabei de ler, ao lado do meu sogro e a Ana brincado com bexiga ao nosso lado.
Que Deus abençoe a todos nós nesta nossa misteriosa e bela jornada na "Bolinha Azul" e, junto, encontrarmos as respostas ou os reconhecimentos que a Alma precisa e amorosamente merece.

Que o Universo te traga o brilho das suas ações e que seu coração se sinta sempre confortavel na sua bela existencia...

Namaste meu querido amigo, pingo de Luz, Namaste!