Havia dois caminhos a seguir. O primeiro, a princípio, não levava a lugar nenhum e o segundo, e principal, levava ao primeiro. Em uma decisão sensata, ela escolheu o segundo. Ele era sim um caminho mais longo, ele era sim um caminho sem volta, ele era assim como qualquer outro, com apenas uma ressalva: o fato de levar ao primeiro, e este, a princípio, não levar a lugar nenhum. E assim ela viveu situações inigualáveis. Tomou chuva sábado a tarde, mas não esqueceu de segunda-feira. Tomou sorvete no inverno mas não esqueceu do último verão. Viveu fantasiando fatos mas não viveu todas as suas fantasias quando elas aconteceram de fato. Tudo por saber que aquele caminho a levaria ao primeiro e o primeiro, a princípio, não a levaria a lugar nenhum. Sua vida passou, suas idéias tornaram-se ultrapassadas e finalmente os dois caminhos se uniram. Mais alguns anos de caminhada e para a sua surpresa, aquele primeiro que, a princípio, não levava a lugar nenhum a levou ao segundo caminho. Ela se viu novamente frente a frente com o começo de tudo; pensou em tudo o que passou e na forma como se passou e concluiu: realmente este primeiro caminho não me leva a lugar nenhum.

Download do conto: "Sobre Viver"

9 comentários:

Robertinho disse...

Grande Léo!!! Muito profundo o texto!

O importante não é aonde vamos chegar, mas sim o caminho que traçamos... pena que ela não tenha aproveitado a vista...

Abs!

Anônimo disse...

Que lindo texto, Leo!!!!

fiquei imaginando-me em 2 caminhos...a minha vida está assim: um caminho não me leva a nenhum caminho...

bj,Gisele

Lu disse...

Se a gente conversasse constantemente, eu poderia jurar que esse texto é sobre esta pessoa que vos escreve! :))) Mas, "qualquer semelhança é mera coincidência".. hehehe

Perfeito!

.raphael. disse...

Léo! Quanto tempo nao passo aqui!
E continua sempre muito bem servido de belos textos!

Caminhos são sempre indecisos mesmo, mas há de haver sempre um pra gente arriscar!

abraço

Si disse...

Acho o caminho é mais importante que o destino.

Fico feliz por ter voltado (e em grande estilo). Muito bom.

Beijos.

molin' disse...

às vezes escolhemos o caminho mais longo... o que importa é chegar até o fim!

adorei o blog
beeijos =)

Lizzie disse...

Leo, me senti inteirinha dento dessa história, a ponto de ter fissura.


"Havia dois caminhos a seguir. O primeiro, a princípio, não levava a lugar nenhum e o segundo, e principal, levava ao primeiro. Em uma decisão sensata, ela escolheu o segundo. Ele era sim um caminho mais longo, ele era sim um caminho sem volta, ele era assim como qualquer outro, com apenas uma ressalva: o fato de levar ao primeiro, e este, a princípio, não levar a lugar nenhum.

Apaixonante. Apaixonante MESMO! Posso linká-lo em meu blog?

Beijos
www.lizziepohlmann.com

Kiara Carrera Guedes disse...

Devidamente copiado (com os créditos é claro!) passo agora a meu comentário...
O texto é de uma sutilesa... dessas que a gente se pergunta e se "revolta": "porque não escrevi isso antes" rsrsrs
Muito bom, e quer saber? Eu sempre esclherei o caminho mais longo! Bjs

Celine disse...

Adorei!! Muito Lindo.
Afinal, o que se há a fazer? A não ser seguir até a lugar nenhum? Já estamos em lugar nenhum??

bjos