Antes de bater a porta e me chamar de filho da puta, você disse que eu parecia ter o dom de enganar a todo mundo. Fiquei surpreso, pois quando falei que não ia mais cozinhar pra você, é  porque já tinha decidido rasgar o seu livro de receitas. Quando te disse que você me sufocava e que eu precisava de mais espaço, eu já tinha mesmo decidido me desfazer da nossa cama de casal. Andava pelo apartamento tentando descobrir o que significava ter o dom de enganar a todo mundo.

Um mês se passou e agora enquanto colo os últimos pedaços do seu livro de receitas, fico te olhando dormir e tentando me convencer que essa cama de solteiro tem espaço suficiente pra nós dois. Definitivamente eu não esperava que aquele “todo mundo”, do dom de enganar a todo mundo, também incluísse a mim mesmo.

2 comentários:

molin' disse...

adoro de verdade todos os seus textos =)
beeijos

[P] disse...

É que às vezes somos os últimos a perceber nossos próprios enganos mesmo. Não se culpe, pelo menos você notou que é fácil enganar-se a si mesmo...

ps: li o primeiro parágrafo sem respirar porque este me pareceu o ritmo das palavras e, quando passei para o segundo, o texto pareceu ficar mais lento, como se as linhas estivessem brincando de revelar a descoberta de que o autor do texto estava enganado sobre não se enganar. é, eu leio textos de forma estranha. sim, sim, eu sou estranha mesmo.

:)

Gostei daqui!