Como em toda fase de conquista caberia a ele conduzir aquela dança que se iniciava. Seus dois passos ansiosos para frente a fez rapidamente dar outros dois para trás. Mais dois passos para a direita e outros dois para a esquerda os mantiveram exatamente no mesmo lugar. Inseguro, ele decide recuar suavemente e levá-los de volta a posição inicial. Perdidos e sem evoluir os dois começam a rodar, e rodar, e rodar, e rodar, e rodar... Os giros parecem confundir sua cabeça e em uma atitude desesperada ele se inclina. Ela se joga para trás. Um beijo que aconteceria se eles não estivessem no tempo errado. Tropeços e falta de sintonia marcam o final da dança. Exausto e com os sapatos nas mãos ele promete a si mesmo nunca mais tirar alguém pra dançar sem antes entender ao menos um pouco sobre música.


1 comentários:

Gabriela disse...

Às vezes, a gente não precisa nem saber um pouco de música pra se deixar embalar nos braços de outra pessoa...
Muito lindo, Léo.