Foram tantos que já me perguntaram o porquê de sempre comer o brigadeiro antes do parabéns, arrumar a mochila um dia antes da aula, fechar o caderno antes de bater o sinal, passar na casa de todo mundo antes do combinado, acordar antes do despertador tocar.. porque? pra que toda essa ansiedade? eu nunca soube responder..
Hoje, depois de pegar o ônibus 20 minutos mais cedo, sentei ao lado de até então uma desconhecida.. sim, uma desconhecida que me mostrou qual o verdadeiro motivo de toda a pressa que tive até hoje.

-- Ao ir a um consultório médico ou de dentista você é chamado de "paciente" justamente por ter que aguentar em média 1 hora de atraso?

-- Se quem dirige uma moto é um MOTOciclista, ao invés de MOTOrista quem dirige carro não deveria ser um CARROrista?

-- Se eu deletar a lixeira do meu computador pra onde ela vai?

-- Se tomarmos um yakult e depois um actvia poderemos gerar o lactobacilo kasei regularis?

-- ATÉ 10% de desconto não pode ser 0,00000001% de desconto?

-- O problema são as regras que eu crio pra mim mesmo.. aquela coisa de ter que dormir até tal hora, ligar todos os dias.. essas barreiras que eu mesmo crio vão me impedindo de ser mais feliz.. e convenhamos, desde que não vire hábito, qual o problema em ultrapassar o horário em um ou dos dias da semana? qual o problema em não ligar quando se sabe que não está muito afim? esses são dois exemplos mas eu poderia citar uns 15.. realmente o que eu preciso de verdade é parar de tropeçar nas minhas próprias pernas.

-- Ok, então a próxima sessão fica marcada pra semana que vem.

Proibido fumar.

-->

Favor não fumar.

-->
Obrigado por não fumar.

Em 2010 a boneca barbie completou 51 anos. Depois dos lançamentos barbie na piscina, na fazenda e na academia eu imagino que esse ano deva sair o quê? a barbie no asilo talvez..

Quando te vi pela primeira vez não esperava que aí de cima você fosse me enxergar. Me deu uma vontade de te puxar aqui pra baixo pelos cabelos e também um medo de que por isso você puxasse minhas orelhas que eu logo desisti. Me imaginei na ponta dos pés e você de joelhos mas mesmo assim ainda seria difícl fazer você me notar. Já estava quase desistindo, perdendo as esperanças, quando você me deu a mão.
Como eu não pensei nisso antes??? Ainda refletia sobre um simples gesto de estender a mão enquanto você já corria me carregando nos braços. O seu tênis levantando poeira no chão de terra batida ditava o ritmo dos seus passos e também do meu coração. Nós passávamos muito depressa pelas coisas bonitas mas inexplicavelmente elas demoravam uma eternidade pra passar pela gente. Confesso que quando ainda te via lá de baixo não podia imaginar que seria tão bonito enxergar o mundo através dos seus olhos. E com você ele se tornou tão especial, mas tão especial que não me importava se já estava escurecendo... pra mim era só a luz mudando de tom. Voltando pra casa chegou a hora de descer dos seus braços e colocar de novo os pés no chão. Mas porque? Assim é muito difícil acreditar que da próxima vez você vai me levar até as nuvens pra gente andar de mãos dadas! Mesmo assim prometo que vou ficar aqui sentada te esperando e imaginando se você vai querer mesmo ser meu amigo, superherói, aquele que sabe todas as respostas ou ainda tudo isso junto; só não sei como... acho que como um pai.

"Tá legal eu desisto, tudo já foi visto
olhos atentos a qualquer momento: é preciso acreditar
tudo bem eu acredito, tudo já foi escrito
olhos atentos a todo movimento: é preciso duvidar"


Engenheiros do Hawaii

Aos 15 eles se conheceram. Ainda não sabiam nada sobre o amor, mas sentiam-se seguros quando estavam juntos . Não sabiam nada sobre a saudade, mas sentiam-se indefesos quando estavam separados. A única coisa que eles realmente sabiam era que seria desnecessário tentar explicar ou descrever aquela situação; eles só precisavam mesmo era sentir. E foi isso o que fizeram. Logo no segundo encontro via-se uma enorme sintonia crescer. Suas palavras dançavam em sincronia e eles já não se davam conta de quanto o tempo passava absurdamente rápido quando estavam juntos. Após este dia ficou claro que algo inexplicável estava acontecendo. Ao chegar em casa, ele percebeu que já lhe cresciam alguns pêlos sobre o rosto e procurava entender qual o sentido de ter envelhecido quase 6 anos desde a última vez em que a viu. Ela por sua vez tentava decifrar o que aqueles sapatos faziam no armário e como combinar todos os itens do seu novo estojo de maquiagem. Mais alguns dias e um novo encontro aconteceu. Agora em um bar movimentado e não em frente a igreja como da última vez. Eles chegaram, se cumprimentaram e o sincronismo de uma longa respiração ofegante deixou claro que os dois não sabiam o que dizer e nem o que fazer naquela situação. Um longo abraço que durou incontáveis noites marcou a despedida para ambos. A manhã seguinte fez dele um homem já com 30 anos e dela uma mulher prestes a comemorar seu aniversário. Seria contraditório tentar revê-la para lhe desejar muitos anos de vida. Este desejo só se concretizaria se ambos decidissem não se vir mais. E eles decidiram. Decidiram continuar apenas sentindo, sem tentar explicar ou descrever a situação. A cada nova oportunidade de se conhecerem mais um enxergava nas marcas de expressão do outro o tempo se esgotando. Com ambos aos 70 anos, o quinto e último encontro foi uma espécie de data marcada para a despedida. Vistas por outros olhos suas lágrimas caíam numa velocidade incrível. Estava claro que tudo terminaria quando um dos rostos secasse e o outro continuasse chorando pela recente perda. A situação caminhava pra isso até que em um ato de amor e cumplicidade, como para abafar os gritos de uma morte anunciada, eles se beijaram. Naquele instante o tempo parou; uma doce recompensa que os permitiu viverem juntos cada minuto dos próximos 70 anos.

Uma lacuna, um hiato, som de vento no deserto... Não esperem por um grande post. Sem nada na cabeça, o pouco que me sobrou está mesmo é no coração.

Foi você quem decidiu, foi você quem o fez. Sim, terminou, mas só pra você. Nossa relação agora é pra mim como um estrela que ainda pode-se ver o brilho mesmo depois de já não existir mais.

Mal eles se conheceram e ela já começou a tentar desvendar tudo o que havia em comum entre os dois, em quais pontos eles pensavam da mesma forma e quantas vezes por dia ela se identificava com algo que ele dizia. Seu desejo de se enxergar nele e fazer único o que na verdade era um par continuou, e após uma semana de namoro lá estava ela parada em frente ao espelho tentando encaixá-lo em sua imagem refletida. Algumas diferenças podiam facilmente ser notadas no cotidiano, como o fato dele enxergar em uma mulher grávida apenas uma barriga e não uma criança. Ou, não passar pela sua cabeça que mesmo depois de ter perdido a corrida seu piloto favorito poderia ter feito as melhores voltas. Sua insensibilidade era gritante e mesmo assim ela fingia não ouvir. Estava claro que a imagem que ela desejava refletir estava perdendo o foco, mudando de posição, mas mesmo assim sua opção era sempre trocar as lentes ou se inclinar um pouco mais para um dos lados. Depois de algum tempo juntos o desgaste do espelho foi inevitável. Ela também estava desgastada e em um descuido ele veio ao chão. Foi o fim do namoro. Enquanto ele lhe desejava sorte, ela recolhia os últimos fragmentos do vidro estilhaçado. Após dois meses colando os cacos, lá estava ela parada novamente em frente ao espelho, que agora mais parecia um mosaico, tentando disfarçar sua realidade refletida: via-se ali uma mulher em pedaços, exausta por querer tanto se encaixar naquilo que foi feito para existir lado a lado.